Em pauta

Reconciliando-se entre irmãos

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que enxergando o propósito deste tempo, a razão excelente que justifica a sua vida nesse contexto.

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a psicoterapia corporal quando há conflitos.

Certamente você pode testemunhar que a convivência entre irmãos pode ser alguma coisa complicada. Ainda que se tenha um bom relacionamento com sua família, haverá sempre a história de familiares em guerra entre si.

Uma das esperanças das mães e avós de todos os tempos é que os irmãos se respeitem e deem bem.

O que torna difícil essa questão é que o desamor remonta a um passado sobre o qual temos pouca consciência e capacidade de interpretação. É quando ainda não temos forças para nos defender que começam os eventos traumáticos sobre os quais estão apoiados os sentimentos de hostilidade. Más escolhas reforçam o caldo e repúdio velado encerra a questão.

A psicoterapia corporal, a princípio, parece ser uma prática intimista e exclusivista, pois aborda um indivíduo de cada vez. Mas o que de fato ela faz pela família, não há como exaltar suficientemente.

Quando seu verdadeiro eu recebe espaço e é ouvido; quando seu corpo é reanimado por um toque preciso de respeito e amor terapêutico, então as marés desse oceano turbulento começam a mudar.

“Somos filhos de um mesmo amor”, “somos coparticipantes de um mesmo sentido de vida”, “estamos conectados para realizar um bem comum” e assim por diante.

Esse trabalho aposta na capacidade transformadora de cada indivíduo, quando ajuda cada um a retornar a um ponto zero de descanso, acolhimento subjetivo e paz interior.

Desligar-se por um momento da nossa agenda exterior e compromissos com os outros, para atentar para nossos sentimentos, emoções e necessidades interiores, pode ser o caminho mais curto para a restauração dos nossos relacionamentos fraternos.

Bases artificiais podem lançar cada um de nós em mundos inimigos e inconciliáveis. Todavia existe um lugar verdadeiro para se ser e existir, ao qual todos podemos retornar, que nos humaniza e faz sermos amigos outra vez.

Eu já vi muita coisa acontecendo por meio de um toque de amor terapêutico.

Existem fases de desavenças e a trama de uma família pode se estender por anos a fio. Mas a reconciliação que queremos ver do lado de fora depende seriamente daquela que experimentamos do lado de dentro.

Quero convidá-lo a uma jornada de cura, pois entender o que de fato lhe aconteceu, perdoar e perdoar-se, e recomeçar pode transportá-lo para fora de um mundo de ideações suicidas para um universo de amor fraternal, reconciliações e paz.

Sempre haverá muita hostilidade no mundo, as pessoas estão em seus processos. Mas um bom exemplo será sempre seguido, eloquente e libertador.

Vamos escrever uma carta universal?

Psicoterapia corporal 101: deite-se em um lugar confortável, coloque suas mãos sobre o peito e a barriga, e agora espere falando palavras de carinho, amor e apreço por tudo o que foi e agora é.

Logo logo você vai começar a ouvir a voz que precisa falar. Ela lhe dirá o que fazer em seguida.

Boa experiência!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471

Investindo para o futuro

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que estejam bem, apesar de tudo o que lhes traz sofrimento. Desejo a vocês a plena capacidade para viverem e conviverem!

Gostaria de compartilhar com vocês hoje aqui um pouco de uma conversa que tivemos em um dos grupos de acolhimento emocional Synergia sobre como semear de tal maneira que colhamos a realização dos nossos sonhos.

Alguém disse que depois do home-office não sabia bem o que fazer com o seu tempo. “Tenho os trabalhos domésticos, os livros para ler, os cursos para fazer, o marido para cuidar, a família para atender…”

Então começamos a falar sobre o que desejamos alcançar e como fazê-lo.

Aí então tive uma inspiração para falar que na maioria das vezes não pensamos em paz interior, cuidados emocionais nem resoluções subjetivas como fatores decisivos para o sucesso que perseguimos. Apesar disso, ninguém constrói seguramente sem esses fundamentos preliminares.

Queremos dinheiro, autoridade, bom relacionamento e liberdade, mas não imaginamos o quanto uma resolução interior pode fazer a diferença nesses assuntos.

A psicoterapia corporal muda o nosso semblante. Uma conversa muito diferente começa depois de uma massagem bem feita nos nossos pés.

O que está do lado de fora, sua vida pública, somente permanecerá se você crescer intimamente.

Muitas pessoas se lembram do ditado, “cabeça vazia é oficina do Diabo”. Mas o “Diabo” geralmente está relacionado com a dor de cabeça que temos para começar a desenrolar a nossa vida.

Debaixo de um toque bom e na presença de um homem sadio, torna-se possível uma conversa desarmada. E sem defesas altas podemos admitir que tomamos algumas curvas indevidas e até hoje sofremos as consequências disso.

O que mais gosto sobre a psicoterapia corporal é que depois que o castelo sem bases desmorona, então um outro muito maior e mais bonito toma o seu lugar.

Covardia aprisiona a pessoa em uma vida medíocre e assustada, menos do que o melhor e mais prazeroso. Mas a coragem relacionada com a retomada da integridade começa com dores, mas termina em festa perene.

Por que é tão difícil nos olharmos no espelho e enxergarmos uma pessoa iluminada, sadia, rica e bem-aventurada?

Se você se machucar para conquistar, então quando o tempo avançar você chegará ao repúdio daquele doce. Mas se você se recusar a se machucar, então vai conquistar de verdade, pois jamais deixará de amar e amar-se.

Talvez eu ainda não tenha alcançado o seu coração, mas quero me candidatar a ser um guardião da sanidade da sua família. Não estou falando de voluntariado, estou falando de trabalhar profissionalmente para colocar a sua família de pé.

O que fiz com minha família, posso fazer pela sua também.

Sua vida não precisa ser um grande desconforto, nem sua saúde uma inimiga, nem sua miséria uma sentença.

Considere a possibilidade de receber um tratamento profissional na comodidade da sua casa que possa trazer para a mesa da sua família uma nova cabeça, a sua livre de ranço, mágoa ou outros sentimentos mal resolvidos.

O Projeto Terapêutico Toque Divino oferece consultas psicológicas como outra modalidade de tratamento de psicoterapia corporal.

Tenham todos uma boa semana!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471

 

Médico à vista

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que exercendo pressão uns sobre os outros com a delicadeza e firmeza de um oleiro experiente, ajudando uns aos outros a atingirem seu propósito de obra-prima.

Gostaria de lhes falar um pouco hoje aqui sobre uma face da psicoterapia corporal, a de cooperadora nos contextos médicos.

Se você é médico já percebeu como o exercício da sua profissão pode ser muito complicado. Temos os exames desconfortáveis e invasivos; os remédios amargos, os que machucam e os que causam efeitos colaterais; e ainda as cirurgias, os transplantes e tudo aquilo que oferece na contrapartida um significativo risco de morte ao paciente.

Algumas pessoas têm terror à ideia de ir finalmente se tratar com um médico.

A vilania da Medicina está posta pelos seus portões de quatro faces: risco, dor, medo e ansiedade.

— Pausa para você respirar! Hehehe… —

O que um psicólogo corporal tem a ver com tudo isso?

A psicoterapia corporal costuma aliviar a dor, atravessar o medo e diminuir a ansiedade, significativamente.

Na minha jornada profissional tenho desenvolvido uma modalidade de tratamento de psicoterapia corporal que chamo de preparação pré-cirúrgica, que pode ser útil tanto antes de exames complicados, uso de medicações agressivas, quanto propriamente intervenções médicas físicas.

Além de todos os obstáculos naturais para a atuação médica, temos também outros psicológicos, responsáveis por tensões corporais e recusas involuntárias, que são uma grande dor de cabeça para esses profissionais.

Outra coisa que acontece com muita frequência, que os colegas médicos o confirmem, são as reclamações e obstáculos às recuperações após as intervenções médicas.

Tudo muito grande e complexo, porque os seres humanos são potências afetivas, podendo transformar o trabalho do médico em uma alegria ou uma grande complicação.

“Recuperação pós-traumática” é uma outra modalidade de tratamento de psicoterapia corporal que está sempre diante de mim como uma das minhas favoritas.

Os protestos de um ser humano só sossegam quando ele finalmente se sente contemplado em suas necessidades subjetivas. Mas não se preocupem os colegas médicos, porque dessa parte cuidam os psicólogos corporais.

Minha marca como psicólogo corporal é também usar toques terapêuticos para acelerar a resposta de segurança emocional e transformação física que tornam o paciente muito mais maleável e preparado para lidar com os desconfortos e danos dos seus procedimentos e tratamentos médicos.

Médico, quero fazer parte do seu time, como homem da sua mais alta confiança, para melhorar a reputação do seu trabalho e a satisfação do seu paciente.

Cada um se concentra numa parte e todos ganhamos pela potencialização de um trabalho comum.

A inclinação da minha contribuição é complementar e não substituir.

Uma boa semana para todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471

Na ponta da língua

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que acreditando que o menor entre vocês é motivo mais do que suficiente para que escolham se desligarem do tudo aí fora para passarem tempo juntos, um pouco todo o dia até um muito uma vez por semana.

Escrever para vocês é muito bom para mim!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o mais alto degrau do autocuidado.

A psique funciona assim, em ciclos de angústia até a descarga emocional, que precede sua renovação, vitalidade e criatividade.

Todos nos angustiamos rotineiramente, pois a psique é assim. Por isso que rituais de autocuidado são essenciais para todos, estejamos mais ou menos conscientes disso.

Alguns encontram alívio através da atividade física. Fazer alguma coisa alivia a angústia interior por um momento.

Outros recorrem a exercícios de respiração, pois a boa oxigenação também tem um papel importante no funcionamento corporal e fluxo de pensamentos.

Meu recurso preferido são os toques terapêuticos. Deito-me na cama e coloco minhas mãos sobre meu peito, boca do estômago, barriga. Às vezes toco meus olhos, minha cabeça. O toque bom faz com que o corpo confie outra vez e se disponha a falar.

Aqui chegamos ao ponto desse texto, é da ponta da língua, porém, que vem a nossa cura.

Todos os rituais de autocuidado apontam a psique em uma direção só, a da voz reveladora, que procede da nossa subjetividade contemplada.

O drama de cada dia se resolve com uma oração, traduzindo, com uma palavra certeira a respeito de todo o Universo a partir do meu verdadeiro eu.

Talvez tenha ido um pouco longe demais com essa figura gigantesca, mas o sentido dessa imagem é ajudá-lo a se perceber como ser absolutamente especial, cuja palavra tem o poder para transformar o mundo.

Quando me toco, por exemplo, entro em descanso. Mas isso ainda não carrega o comando de transformação. É apenas quando minha voz mais tímida se pronuncia com firmeza que vejo claro como o dia minha angústia retrocedendo, sem escape, para o nascimento de uma nova força e energia para a ação.

Armadura protege do choque, mas sufoca a espontaneidade.

Seu toque divino depende de você conseguir alcançar um lugar de segurança emocional. Para isso serve o amor, para nos transportar a um estado onde conseguimos ouvir para crer na voz da nossa incontestável potência.

Você é um fogo consumidor. Sua palavra, um mandamento. Mas aposto que na maior parte do tempo você esteja muito ocupado para falar e criar, para ordenar e se satisfazer. Distraído, envergonhado, indignado, magoado, talvez você tenha andado ausente, isolado das suas nascentes e personalidade.

A diferença entre um herói e um miserável está na ponta da língua.

Quem dá voz e vez a si mesmo prospera. Não estou falando do “si mesmo” bajulador, sempre preocupado em agradar e se inserir nos clubes de privilégios. Mas do “si mesmo” integridade, autenticidade, coragem e boa fé.

Quando estou sofrendo por motivo indefinido, faço minhas orações, toco o meu coração e espero pela palavra da vida.

A voz da esperança brota na ponta da língua do homem fiel.

Pense nisso!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471

O que fazer quando nada mais se pode fazer

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que fazendo precocemente a revisão das suas vidas para declarar o quanto importam uns para os outros!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o que ainda podemos fazer depois de termos feito tudo.

Todos passamos por situações em que a expectativa por um evento futuro nos põe em movimento de intensa preparação. Ensaiamos a nossa fala, planejamos a nossa resposta. Arrumamos a casa e o coração. Até que chegamos àquele ponto quando nada mais podemos fazer e tudo se torna verdadeiramente em uma questão de tempo.

“O que fazer quando nada mais se pode fazer?”

Descanse.

Já lhes falei como você é divino quando encontra a sua paz?

Nossa paz está relacionada com o conhecimento de nós mesmos. Até que você tenha entendido quem é e o que realmente lhe aconteceu, vive desconfiado de si mesmo. “Uma casa dividida não subsistirá”.

Talvez nesse último suspiro antes do “show” você ainda possa colocar mãos bondosas sobre o próprio peito, para dizer o quanto se ama e confia na sua semente.

E se você de repente se lembrasse de que seus caminhos e descaminhos foram gerados por nexos de relacionamento? Que aquilo que você repete inconsciente quer também lhe ensinar o que é a sua vida e qual o bom propósito da sua cura interior?

Eu sou psicólogo corporal e o que faço por mim, faço por você também.

Desde que você se disponha a perder tudo de falso para semear tudo de verdadeiro, nascerá esperança para o drama que o justifica.

O psiquiatra Adalberto Barreto, criador da Terapia Comunitária, ensinou-me que nossa melhor contribuição advém da nossa maior luta de sobrevivência. Construtor é aquele que venceu sua história de ruínas; médico é aquele que venceu sua história de doenças; cozinheiro é aquele que venceu sua história de fomes; etc. etc.

Agora que a casa está limpa e tudo está pronto, resta a sua autoestima e reconhecimento de si mesmo.

Sua verdadeira identidade jamais passará. Se existe alguma dimensão de mediocridade e fragilidade essencial na sua vida, isso não tem nada a ver com quem você realmente é.

Enquanto espera pelo Grande Dia, não se traia nem se distraia. Não foi para agradar às cobiças de ninguém que você nasceu.

Aceite que a sua vida é um presente maior e que sua voz autêntica é absolutamente necessária para esse tempo.

Desligue o barulho e a murmuração. Você tem tudo o que precisa.

Hoje será um dia extraordinário! Amanhã cedo você renascerá!

Tenham todos uma boa semana!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471

Em busca de palavras

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que despertando para a vida, juntos e amados. Vocês têm tudo o que necessitam!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre nossa necessidade de palavras certeiras.

Todos já passamos por momentos de decisão, quando fomos passados por um frio na barriga diante da expectativa grandiosa de uma palavra pública.

O que posso dizer diante da eminência que provém do outro? Todos somos muito grandes em dignidade e valor essencial. Uma barreira humana é quase intransponível.

Queremos aprender a dizer algo que comunique a nossa alma, algo que encontre no outro a nossa própria conexão.

Muitas vezes é muito difícil encontrar uma palavra apropriada nos nossos exercícios de preparação. Mas a palavra oportuna é o presente daquele que vive em estado de consagração.

O gênio tem sempre uma palavra apropriada. Queremos ter o que ele tem, mas estamos dispostos a pagar o preço que ele paga?

Consagração não é o mesmo que sacrifício do eu. Mas é o resultado pela escolha corajosa do verdadeiro eu, mesmo diante de prejuízos temporários.

O que se requer de nós é que vivamos respeitosamente, cuidando da e confiando na nossa vida verdadeira. Silêncio, resguardo e bons limites são fundamentais.

A potência do homem vem em ondas de ação. Atividade e derramamento seguidos de introspeção e autocuidado.

E se você acreditasse que possui uma fonte inesgotável de boas palavras aí dentro de você? Capacidade para comunicar o que existe de mais sagrado, capacidade para abrir as comportas dos tesouros alheios ao serviço do bem comum?

O primeiro e o último nível do toque terapêutico é uma palavra certeira, a cura que reveste e sustenta toda cura.

Precisamos de uma linda palavra no dia de hoje. A sua palavra é tudo o que precisamos.

Será que você ainda se lembra do quão imprescindível é a sua contribuição?

Faça o bem a si mesmo e também ao seu próximo, e então nos diga quem é você, seu verdadeiro eu.

Através de uma doce palavra você também pode trazer à realidade um mundo melhor.

Guarde os seus lábios, guarde a sua vida.

Hoje é tempo de reconhecer a alegria de termos algo original a dizer.

Não se traia nem se distraia, mas descanse daquilo que mais ama e se conecte com as suas súplicas indizíveis uma vez por semana.

Se você alternar a sua tensão habitual por um dia de relaxamento, renovará seu acesso às fontes que jamais terão fim.

Sua palavra conta!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471

A vida dos homens

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que cientes de que o que fazem uns com os outros gerará consequências para todos, boas ou más.

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a vida dos homens.

Pelo modo como nos entregamos cotidianamente, levantamos diante de nós um parâmetro de valor e autovalor. É perseguindo nossos sucessos que carimbamos a nossa subjetividade com uma noção de propósito ou significado da vida.

É muito interessante ouvir pessoas falando sobre os sonhos do seu coração, pois parece que temos algo em comum.

Todos falam em ter mais dinheiro, porque ele promete ser o maior apoio para a realização de tudo o mais. Alguns falam sobre o contato com a natureza e suas belezas. Também se fala muito sobre o desejo de viajar, explorar novos ambientes, conhecer outras culturas, relacionar-se com outras pessoas. Ainda é comum que falem sobre a construção de um “cantinho” para refúgio e tranquilidade, um lar. Por fim, vale mencionar o desejo por um relacionamento íntimo de confiança, segurança e amor, e a alegria de ter filhos.

A vida do homem não consiste da sua ganância, mas do seu perdão.

A mente gananciosa quer vingança e nunca se satisfaz, nada espera e tudo desvaloriza. Se ela mesma não se dá o respeito, como compreenderia o tempo das coisas e a alegria da paz?

Mas a mente que se perdoa, pode viver no deserto mais árido por um longo tempo, pois seu coração está sossegado no futuro próximo e certeiro, que trará de pronto os desejos do seu coração.

Você pode apressar o tempo? Será que algum treinamento ou procedimento poderia fazer uma criança de 5 anos ter a sabedoria de seu pai de 40?

Por outro lado, alguém pode impedir o favor e a alegria que sua semeadura perseverante lhe trará quando chegar o tempo da sua colheita?

Uma mente saudável é aquela que ancorou o seu coração em solo sagrado. Quem trata seus sonhos como verdades, refina-os e conquista-os, jamais ficará doente nas emoções.

É necessária a certeza de coisas invisíveis para que se possa sobreviver à aridez dos relacionamentos insatisfatórios.

A vida do homem está escondida em seu coração sensível e delicado. Na porção do “eu” que ama e pode ser ferida, onde os sonhos de infância ficaram guardados e acalentados, onde o sacrifício próprio faz sentido ao levar alegria e consolação ao coração de outra pessoa, ali está a vida do homem.

Como baixar as espadas e os escudos? Comece com um toque gentil no seu coração. Diga “eu amo você, [seu nome]”. Toque seu rosto com delicadeza e diga “como vai você, meu amigo?”

Quem não alterna nunca tensão com relaxamento, jamais alcança a cura psicológica.

Preciso que você se disponha a comigo criar um mundo melhor. Um mundo onde o amor próprio é tão verdadeiro que o amor ao próximo é uma mera propagação.

O dinheiro não está nas mãos de alguém em especial. Mas ele serve aos propósitos mais elevados.

Ganância e extravagâncias logo fenecem, mas as riquezas procuram por aqueles que realmente sabem o que fazer com elas.

Dinheiro serve para salvar vidas e restabelecer a dignidade daquele que recomeçou.

Por que não podemos esperar felizes pelo novo tempo que já chegou?

Eu acredito em vocês!

Atenciosamente,

Rafael.

_

Rafael Caldeira de Faria

Psicólogo corporal

CRP 06/89471